SENAI-RJ orienta jovens sobre mercado de trabalho


Anúncios

Pixel-Show 2010


Um dos maiores eventos do país na área de design acontece em outubro

A organização do Pixel Show, um dos maiores eventos de design, arte, graffiti, moda e propaganda do país, anuncia que as inscrições para a edição 2010 já estão abertas.

Este ano, conforme divulgado pela organização, o evento conta com Bobby Chiu e Kei Acedera, concept artists do badalado filme Alice no País das Maravilhas, de Tim Burton; Jason Manley, da Massive Black e os brasileiros Dimitre Lima, Indio San e Cisma, entre outros.

A sexta edição do Pixel Show acontece nos dias 16 e 17 de outubro, no Fecomercio, na capital paulista.

Designers X Clientes


 Vida de designer e ilustrador não é fácil, muitos já sofreram a falta de valorização do nosso trabalho por parte dos clientes. Propostas absurdas e desculpas ouvidas quase que constantemente em nosso ramo…

Mas por que isso ocorre somente com o design? Por que não em outras profissões, como o cabeleireiro, ou o dentista?

 Esse post relata algumas das situações mais comuns que ocorrem com os designers ao negociar um trabalho. Não se deixe enrolar!

 Abaixo segue um vídeo muito interessante que mostra algumas destas situações, mas em outras profissões e lógico que é incabível!

1) “Faça esse trabalho barato (ou de graça) e no próximo pagaremos melhor”
Nenhum profissional que se preze daria seu trabalho de mãos beijadas na esperança de cobrar mais caro mais tarde. Você consegue imaginar o que um advogado diria se você dissesse “me defenda de graça dessa vez que na próxima vez que eu precisar de um advogado eu te chamo e pago melhor”. Ele com certeza riria da sua cara.

2) “Nós nunca pagamos 1 centavo antes de ver o produto final”
Essa é uma pegadinha. A partir do momento que você foi contratado para fazer o trabalho você DEVE pedir uma entrada. O motivo é simples, você está trabalhando desde o momento que se dispõe a fazer a reunião de briefing. Talvez um cliente mais inexperiente queira pagar após ver alguns esboços. Cabe a você aceitar ou não.

Essa é u3) “Esse trabalho será ótimo para seu portfolio! Depois desse você vai conseguir muitos outros”
ma das mais típicas. E costuma fazer vítimas principalmente entre jovens que ainda estão estudando. Para não cair nessa, basta pensar “quanto o seu cliente vai faturar com o seu trabalho?”. Além disso, não esqueça que, mesmo que ele indique seu trabalho para outras empresas, com certeza ele dirá quanto custou (ou se foi de graça) e imagine o que os próximos irão querer?

4) Olhando para seus estudos e rascunhos: “Veja, não temos muita certeza se queremos seu trabalho. Deixe esses estudos comigo e vou falar com meu sócio/investidor/mulher, etc e depois te dou uma resposta”
Não dou 5 minutos para ele ligar para outros designers com seus estudos e conceitos criados na mão barganhando melhores preços. Quando você ligar de novo ele dirá que seu trabalho está muito acima do mercado, blá blá blá, e que Fulano Designer vai fazer o trabalho. Mas como eles conseguiram outro designer mais barato? Lógico, você já passou o conceito todo criado! Economizou horas para o designer que vai pegar o trabalho. Então, enquanto você não entrar em acordo com seu cliente NUNCA DEIXE NADA CRIATIVO no escritório dele!

5) “Veja, o job não foi cancelado, somente adiado. Deixe a conta aberta e continuaremos dentro de um mês ou dois”
Provavelmente não. Seria um erro você não faturar o que foi feito até o momento esperando que o trabalho continue depois. Ligue em dois meses e você verá que alguém estará trabalhando no job. E adivinhe! Eles nem ao menos sabem quem você é… e o dinheiro do início do trabalho, lógico, já era!

6) “CONTRATO?? Nós não precisamos assinar contratos! Não estamos entre amigos?”
Sim, estamos. Até que alguma coisa dê errada ou ocorra um mal-entendido, e você se transforme no meu maior inimigo e eu sou o seu “designer estúpido”, aí o contrato é essencial! Simples assim! Ao menos que você não ligue em não ser pago. Qualquer profissional usa um contrato para definir como será o trabalho e você deve fazê-lo também!

7) “Envie-me a conta depois que o material for pra gráfica”
Por que esperar por esse deadline irrelevante? Você é honesto, não? Por que você deveria ficar preso a esse deadline? Uma vez entregue o trabalho, fature! Essa desculpa possivelmente é uma tática para atrasar o pagamento. Assim o material vai pra gráfica, precisa de alterações intermináveis e, adivinhe, ele arranja outra pessoa pra fazer as alterações necessárias, o material vai pra gráfica e você nem fica sabendo!

8 ) “O último designer fez esse job por R$ XX “
Isso é irrelevante. Se o último designer era tão bom por que ele te chamou? E quanto o outro cobrava não significa nada pra você. Pessoas que cobram muito pouco pelo seu tempo acabam fadadas ao insucesso (por auto-destruição financeira). Faça um preço justo, ofereça no máximo 5% de desconto e não abra mão disso.

9) “Nosso orçamento para esse job é de XX reais”
Interessante, não? Um cara sai para comprar um carro e sabe exatamente quanto ele vai gastar antes mesmo de fazer uma pesquisa. Uma quantia de trabalho custa uma quantia de dinheiro. Se seu cliente tem menos dinheiro e ainda assim você quer pegar o trabalho, dedique menos horas a ele. Deixe isso bem claro ao seu cliente, que você dedicará menos tempo que o estimado para finalizar o trabalho porque ele não pode pagar por mais horas. A escolha é sua.

10) “Estamos com problemas financeiros. Passe o trabalho para nós e, quando estivermos em melhor situação, te pagamos.”
Claro, mas pode contar que, quando o dinheiro chegar, você estará bem lá no final da lista de pagamentos. Se alguém chega ao ponto de admitir que está com problemas financeiros então provavelmente o problema é bem maior do que parece. Além disso, você por acaso é um banco para fazer empréstimos? Se você quer arriscar, pelo menos peça dinheiro adicional pelo tempo de espera. Um banco faz isso, não faz? Por que provavelmente esse é o motivo deles quererem atrasar seu pagamento, ter 6 meses de dinheiro “emprestado” sem ter que pagar juros, o que não aconteceria se ele tivesse que emprestar do banco. Não jogue dinheiro fora!

Você certamente vai tratar com pessoas muito diferentes de você. As motivações e atitudes certamente são diferentes.

Como lidar com todas essas coisas e ainda assim fazer um trabalho criativo? Boa pergunta! É por isso que ir atrás da informação é importante. Você aprende a trabalhar com todas as técnicas do design, mas não aprende a arte da negociação. Muitos designers ignoram este aprendizado, o que é um grande erro. Sugiro que o mínimo seja incorporado assim certamente você não sentirá seu trabalho como uma grande perda de tempo e dinheiro!

Como Ser um Designer Gráfico sem Vender sua Alma


Uma ótima dica!

 

 

 

 

 

 

autor: Adrian Shaughnessy
editora: Senac 

Sinopse:
Como Ser um Designer Gráfico sem Vender sua Alma aborda pontos, que não raro, são deixados de lado em livros sobre design gráfico: a busca por estágio e a forma de se comportar em entrevistas de emprego; as vantagens e os percalços no caminho de freelancer, as informações imprescindíveis na hora de estabelecer um estúdio – da escolha do local e do nome à busca por profissionais em harmonia com a filosofia da empresa; a prospecção de clientes e a difícil arte de relacionar-se com eles. A obra traz ainda entrevistas com renomados profissionais.

Infnet realiza concurso de design


Inscrições podem ser realizadas até o dia 31 de junho

O Instituto Infnet, localizado no Rio de Janeiro (RJ), divulgou recentemente o lançamento do concurso Prêmio Design 2010. Segundo o instituto, o concurso é voltado para os alunos do Ensino Superior que estão cursando Design Gráfico ou Comunicação Social.www.infnet.edu.br/premiodesign2010 .

Para participar, é preciso criar uma ilustração com o tema Design e Tecnologia. Os participantes concorrerão a prêmios como um Macbook Air, cursos de Design de 40 horas no Instituto Infnet e livros de Design, entre outros. As inscrições podem ser realizadas até o dia 31 de junho. Mais informações em

Instituto Infnet
www.infnet.edu.br

Projeção 3D para a BMW


Em Cingapura, a Publicis Asia parece ter a resposta de como envolver e surpreender o público ao promover o conceito, os features e todo line up oferecido por uma multinacional da indústria de automóveis.

No centro de uma importante cidade do país, uma projeção da BMW, realizada com a utilização de técnicas 3D, chamou a atenção todo mundo que estava por perto.