Porque não desenhar de graça?


Todo mundo já ganhou uma caixa de lápis de cor ou um jogo de lápis de cera quando criança e desandou a desenhar os pais, monstros, o cachorro e o que passa na TV. Gastou uma floresta em cadernos de desenho e várias paredes tentando expressar sua criatividade.

Isso faz do desenhista o primeiro ensaio de profissão que uma criança pode ter, tanto quanto ser um jogador de futebol (virar médico por causa da prima não conta).

Portanto, é natural que todo ilustrador tenha uma paixão natural pelo seu trabalho.
Quem era desenhista e virou ilustrador é porque ou teve um talento nato ou desenvolveu com a prática, mas sempre teve um motivador que percebeu que tinha o poder de criar algo com a mente e as mãos.

Se você resolveu ganhar a vida com o dom do traço, com certeza passou por alguns micos na família e entre amigos. “Você vai morrer de fome”, ou “vai vender desenho na Praça da República”, ou “Seu irmão é quem deu certo, virou advogado”. Você vai conhecer um ou outro que foi abandonado pela namorada porque achava que ele não tinha futuro, que ia acabar com o cabelo sebento, com um bloco de desenho e um vira-latas amarrado com barbante, deitado no meio da sarjeta. Mesmo assim foi em frente, mesmo com o mundo apostando as fichas em outro cavalo.

Sou ilustrador e não desisto nunca

Nunca vi um ilustrador que desenhasse por obrigação ou só para pagar as contas. Nunca vi um ilustrador que ficasse olhando o relógio a cada 5 minutos na expectativa de chegar as 6 da tarde e ir embora correndo pra casa. Todo ilustrador tem uma característica: tem uma paixão pelo que faz.

E por que não me refiro mais como desenhistas, mas sim como ilustradores?

O desenhista desenha por pura paixão. Dá um rim porque acredita no que está fazendo.

O ilustrador também desenha por paixão. Mas ao contrário do desenhista, ele vira profissional.

E ser profissional não é simplesmente ganhar dinheiro com desenho. Primeiro grande erro que a maioria dos desenhistas têm.
O ilustrador têm que ganhar dinheiro sim, e isso se torna uma relação comercial. São negócios. O ilustrador vira um comerciante de si mesmo, vende o que tem de melhor que é seu talento.

O ilustrador segue regras. Simples assim

Regras comerciais (entre ele e o cliente) , regras contábeis e financeiras (passar nota e administrar a grana), regras legais (saber seus direitos e deveres perante a lei), regras pessoais (para não desvirtuar do que acredita) e regras éticas (para ter uma coerência com toda a classe dos ilustradores).

Se não segue regras e desenha o que quer, por que quer e não consegue argumentar com o cliente, então desculpe, tá confundindo arte com negócios.

E um dos maiores erros que vejo por aí é a terrível combinação de talento + insegurança pessoal + picaretagem dando frutos monstruosos.

Isso gera gente que pede desenho de graça. E gente que aceita fazer isso.

Uma coisa é sua namorada ou sua tia pedindo um desenho pro cartão de aniversário da irmã.

Outra coisa é um empresário que pede uma ilustração de graça (ou para teste) com as mais variadas desculpas. As mais famosas são:
“Seu trabalho vai ter uma divulgação tremenda”.
“É bom pro seu portfólio”.
e a mais famigerada: “Esse é de graça, mas depois você vai ter outros bem remunerados”.
“É um trabalho de risco, se for aprovado você ganha”.
Tem uns mais indecentes que dizem simplesmente “Se não fizer, tem gente que faz”.

Pois bem. Acho que nesse ponto eu tenho alguma autoridade pra dizer que isso é a mais pútrida e cadavérica mentira.
Trabalhei mais de 10 anos numa grande agência fazendo o papel duplo de diretor de arte e iustrador. E nesse período, fiz o trabalho também do que hoje se chama “art buyer”, ou seja, contratava ilustradores e fotógrafos para alguns trabalhos.

E eu posso dizer com certeza:
• Nenhum trabalho garante que outros trabalhos virão por causa dele.
• A divulgação é uma conseqüência natural do seu trabalho, é como dizer para um barbeiro que não vai pagar o corte porque vai divulgá-lo por aí.
• Quem é a anta que disse que ilustrador precisa de material publicado para colocar no portfólio?

Primeira coisa que deve ser lembrada, ó desenhista desesperado por atenção e do vil metal para dar estímulo à carreira:
O que você vai dar de graça vai ajudar o lamuriante picareta a ganhar dinheiro. Seja em embalagem, anúncio, revista, tatuagem, o que for. Ele vai ganhar dinheiro e você não!

Isso é uma afronta, uma ofensa profissional e um desrespeito pessoal.
Você não sai na sorveteria pedindo um sorvete de graça prometendo comprar um monte na próxima vez, certo? Nem pede pra cortar o cabelo de graça pra você fazer divulgação do salão. Nem pede pro marceneiro fazer um armário de graça para ele colocar no portfólio.
Mas por que pedem isso pro desenhista?
Por que ele não liga, desenha com paixão e faz rapidinho…na verdade estão fazendo um favor pra ele.

Acontece algo parecido com os médicos.
Qualquer médico em uma festa é interpelado uma ou duas vezes por um gaiato que quer um diagnóstico na hora mostrando um furúnculo na bunda enquanto segura um copo de vinho.
Já que está ali, vamos aproveitar.
Mas pelo que eu sei, a maioria dos médicos já cortam o barato no meio. Dá o cartão e pedem pra passar amanhã no consultório.

Desenhistas deveriam ter a mesma postura.
Isso é necessário para ter uma integridade pessoal e financeira para o ilustrador, e principalmente, para todos os ilustradores.
A regra é simples: Se existem pessoas que pedem isso é porque existem pessoas que o fazem.
E não trazem leite pra casa, mas algumas promessas e um punhado de feijões mágicos.

Abrindo as portas da percepção

Eu já passei por isso. No começo da minha carreira como autônomo, inseguro, perdido e ingênuo como coelho Tambor, aceitei um trabalho de risco, ainda mais porque era amigo de um amigo meu que não vejo há anos.
Quando vi o quanto o cara ganhou com meu trabalho e vi que toda dor e lágrimas que me passaram eram falsas como as promessas, minha barriga doeu de raiva e indignação. A partir daquilo nunca mais.

Existem situações mesmo em grandes agências onde me pedem um “trabalho de risco”. Ou mais descaradamente, “precisamos de um desenho para layout da campanha que ainda vai ser aprovada”. Não é coisa vinda de um Zé Ruela da esquina.
Mesmo dizendo que tenho uma tabela de valores para ilustrações para layouts, sem aprovação do job, há aqueles insapientes que insistem na “filosofia do risco”.

Recuse e recuse com orgulho. É estupro profissional e pessoal, sua auto-estima vai ficar no nível da sola do pé com o tempo.

Não existem exceções? Claro que existem, mas são raras e tem critérios muito pessoais. Pra fins beneficentes, por exemplo. Nem encaro como risco, mas como doação mesmo. E pára por aí.

Recebo todos os dias pedidos de trabalho de graça, de ongs, de cultos religiosos, de escolas, de empresas falimentares, de meninas mimadas, de editoras sem noção, de tudo quanto é tipo.
Para estes, ignorá-los não se tornou apenas uma opção, virou uma necessidade.

O Efeito Borboleta

Só pra entenderem o que isso causa, há 20 anos os valores pagos por ilustração eram bem diferentes. Tudo bem que antes não existia computador e tudo era feito na raça, mas a relação entre valor e direito de uso de imagens não mudou.

A diferença é gritante, principalmente no meio editorial. Uma ilustração de página dupla que hoje sai por uns R$600,00 antes era o dobro do valor, e até mais do que isso. O achatamento dos valores foi progressivo até chegar o que é hoje. E sabe o que é pior? O achatamento não parou por aí. Vai continuar até chegar na espessura de uma panqueca. E, se isso acontece em uma das maiores editoras do Brasil, imagine o que não acontece nas Boca-de-Porco Publishings?

Cheguei a pegar uma época em que ser ilustrador era sinônimo de ser rico, sem exageros. Ganhava-se muito bem, e foi um dos motivadores de eu largar a Biologia pela Ilustração. Não me arrependi de ter feito a troca, mas fico triste e ensandecido quando vejo o respeito financeiro que a ilustração vem tomando no Brasil, o suficiente para cogitar a possibilidade de trocar de país.

Até mesmo Cacilda Becker, cansada de receber pedidos de convites de graça das suas peças de teatro, grudou um recado no vidro da bilheteria dizendo: “Não me peça de graça a única coisa que tenho pra vender”.

Autor: Hiro (http://blog.hiro.art.br/)

Anúncios

5 comentários sobre “Porque não desenhar de graça?

  1. Coisas do meu Brasil, meu Brasil brasileiro…

    É lamentável!!!

    Amei esta matéria e não desistirei nunca de ilustrar, mesmo que a maioria das pessoas pensem e me encarem como os “cidadãos” da música de Zé Geraldo.

    Cidadão
    (Zé Geraldo)
    Composição: Lucio Barbosa

    Tá vendo aquele edifício moço?
    Ajudei a levantar
    Foi um tempo de aflição
    Eram quatro condução
    Duas pra ir, duas pra voltar
    Hoje depois dele pronto
    Olho pra cima e fico tonto
    Mas me chega um cidadão
    E me diz desconfiado, tu tá aí admirado
    Ou tá querendo roubar?
    Meu domingo tá perdido
    Vou pra casa entristecido
    Dá vontade de beber
    E pra aumentar o meu tédio
    Eu nem posso olhar pro prédio
    Que eu ajudei a fazer

    Tá vendo aquele colégio moço?
    Eu também trabalhei lá
    Lá eu quase me arrebento
    Pus a massa fiz cimento
    Ajudei a rebocar
    Minha filha inocente
    Vem pra mim toda contente
    Pai vou me matricular
    Mas me diz um cidadão
    Criança de pé no chão
    Aqui não pode estudar
    Esta dor doeu mais forte
    Por que que eu deixei o norte
    Eu me pus a me dizer
    Lá a seca castigava mas o pouco que eu plantava
    Tinha direito a comer

    Tá vendo aquela igreja moço?
    Onde o padre diz amém
    Pus o sino e o badalo
    Enchi minha mão de calo
    Lá eu trabalhei também
    Lá sim valeu a pena
    Tem quermesse, tem novena
    E o padre me deixa entrar
    Foi lá que cristo me disse
    Rapaz deixe de tolice
    Não se deixe amedrontar

    Fui eu quem criou a terra
    Enchi o rio fiz a serra
    Não deixei nada faltar
    Hoje o homem criou asas
    E na maioria das casas
    Eu também não posso entrar

    Fui eu quem criou a terra
    Enchi o rio fiz a serra
    Não deixei nada faltar

    Hoje o homem criou asas
    E na maioria das casas
    Eu também não posso entrar

  2. É amigo, eu já desisti de tentar convencer alguns empresários, quando não pedem de graça o fazem de maneira a desvalorizar o trabalho pagando pouco. Infelizmente isso é a realidade e ela existe porque há pessoas que contribuem para essa marginalização da profissão. As vezes, pessoas que se sujeitam por pura necessidade. Fazer o que? Eu estou pulando fora, quero ganhar dinheiro e não fazer caridade para a iniciativa privada.

  3. Oi.. Simplesmente ADOREI seu post !!
    Posso copia-lo e divulga-lo? Na verdade gostaria de usar esse texto como divulgação mesmo.. em posts na minha área…
    Sou da área de fotografia… e passo exatamente por isso…É muita cara de pau… acham que não temos contas.. que trabalhamos por hobby..

  4. É… infelizmente nosso mundo é assim, cheio de gente ridicularizando o que não deveria, simplesmente por causa das dificuldades. Sempre achei o ilustrador um heroi. Mas isso é porque eu entendo de arte e enxergo claramente valor no trabalho que ele desenvolve. Já os outros que não veem isso…
    Eu particularmente já pensei: uma horta pode ter tanta coisa boa, tantas vitaminas, tanta saúde, tanta vida pra vender… A alimentação é a maior necessidade do homem. No entanto, quase ninguém vê tanto valor numa horta. Hoje em dia entra um monte de veneno dentro da gente através das verduras q compramos no mercado. Nosso mundo se segue desta forma. Ainda bem que ainda existem pessoas como os designers e ilustradores que procuram fazer trabalho justo e agradável e pensam: sou ilustrador e não desisto nunca.
    Gente… Já pararam pra pensar por ex sobre quanta coisa inútil, ridícula e injusta q existe entre as profissões e que enriquece safados neste nosso mundo capitalista? E ninguém ridiculariza nem tenta transmitir nada de negativo pra eles… Estranho e assustador isso.
    Certa criança foi incentivada a seguir a carreira de advogado e esquecer artes. Ok. Daí quando ela cresceu ela se tornou mentirosa e injusta, defendendo bandidos e políticos sem-vergonhas que pagam fortunas. Foi o melhor jeito que ela achou pra se enriquecer do seu trabalho.
    Por mais difícil e desmotivador que o mercado seja para nós artistas, talvez somos obrigados a desistir da profissão, mas nunca da arte. Podemos mantê-la como hobby pra poder continuar deixando no mundo esta criatividade milenar, deixar algo que precisam mas que desvalorizam ou nem percebem que precisam. Assim como a horta.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s